Red Rose Speedway: muito mais do que ‘My Love’

De volta à 1973, quandoi foi lançado o álbum “Red Rose Speedway” (o segundo do Wings), é necessário que uma injustiça seja desfeita: esse é o álbum mais subestimado da banda, principalmente no período em que foi lançado, merecia mais reconhecimento por parte das imprensa nos anos 70 e dos fãs. Deixando de lado as apresentações do hit My Love, nenhuma outra música do álbum chegou a atingir o sucesso.  O texto de hoje é uma contribuição para que outras músicas do álbum sejam escutadas por quem ainda não conhece e também para apresentar mais detalhes sobre o álbum.

Parte interna da capa do disco, por Eduardo Paolozzi.

No lançamento e gravação do álbum a banda já contava com Henry McCullough na guitarra ao lado de Denny Laine, além de Paul, Linda e Denny Seiwell. Foi o primeiro álbum do Wings a ter uma música de sucesso, mas infelizmente não passou disso. Paul McCartney ainda recebia nuitas críticas e frequentemente a imprensa atacava suas composições. Isso não mudaria até o lançamento do próximo álbum do Wings, “Band On The Run“.

Inicialmente a idéia era de ter um álbum duplo (ou até triplo) com cerca de 30 músicas, mas a EMI logo descartou a idéia e pediu que isso fosse reduzido para até 10 músicas, na esperança que essa escolha fizesse com que o álbum fosse mais consistente e bem recebido. Não deu certo, apesar de todo o esforço Red Rose Speedway (que chegou a ser #1 nos EUA por conta do seu hit) parou no single My Love e não teve outras músicas oficiais destacadas. Dentre outras tentativas de buscar sucesso comercial, o álbum tinha autoria de “Paul McCartney & Wings“, e não apenas da banda como aconteceu com Wild Life. Além disso, o engenheiro de som Alan Parsons trabalhou na mixagem do álbum nos estúdios de Abbey Road ao mesmo tempo em que trabalhava no Dark Side of The Moon da banda Pink Floyd. Outro fato curioso é que a parte de trás da capa de Red Rose Speedway tem uma mensagem em braile: “We Love You (Nós Amamos Você)”, uma homenagem à Stevie Wonder. Mas nada teve efeito.

Capa do álbum. As fotos foram tiradas por Linda.

Contra-capa com mensagem em braile, homenagem à Stevie Wonder.

Além das composições do período, algumas músicas não aproveitadas no álbum RAM entraram para o Red Rose Speedway (ver abaixo). Todo o álbum merece atenção, mas algumas músicas se destacam e devem ser escutadas agora mesmo caso você não as conheça.  Inclui links do Youtube mas recomendo que escute o disco para uma qualidade maior. Veja a lista com todas as músicas do álbum comentadas.

1 – Big Barn Bed
Letra simples e instrumental bem feito. O que mais se destaca é o baixo de Paul McCartney, que faz uma marcação forte e melódica, principalmente no refrão. Está entre as poucas músicas do álbum que foram executadas ao vivo. Um trecho de Big Barn Bed aparece no fim da reprise de Ram On, do álbum RAM (bem no final mesmo).

2 – My Love
Primeiro sucesso da banda, presente até a turnê solo Up and Coming Tour de Paul McCartney. A última execução ao vivo (até o momento) aconteceu durante uma passagem de som em Montevideo em 2012, já na On The Run Tour. A versão gravada tem arranjos diferentes daquela que era apresentada ao vivo antes do lançamento do álbum e conta com o solo de guitarra de Henry, que fez a sugestão já no estúdio antes da gravação oficial. O sucesso comercial também fez a música ganhar um vídeo clipe.

3 – Get On The Right Thing
Uma das músicas que merecem ser escutadas com carinho. Além da ótima letra e do arranjo impecável, conta com uma boa harmonia de vocais. Era para entrar no álbum RAM, mas só foi aproveitada no Red Rose Speedway. O destaque aqui fica para os vocais de Paul e Linda, e a bateria de Denny Seiwell.

4 – One More Kiss
Além do solo de My Love, Heny McCullough merece crédito pela sua participação impecável em One More Kiss. Mostrando que a banda não era só feita de linhas melódicas no baixo, as guitarras tiveram ainda mais destaque no álbum. Essa é outra música que poderia ter maior reconhecimento. Foi escrita para Mary McCartney, após um desentendimento entre Paul e sua filha.

5 – Little Lamb Dragonfly
Tão boa que nem vale a pena falar muito sobre ela pra não estragar a primeira impressão que você tem quando escuta. Também foi gravada durante as sessões do álbum RAM mas só utilizada em Red Rose Speedway. Paul capricha no baixo e nos vocais, difícil encontrar um defeito na música. Só escutando mesmo pra entender.

6 – Single Pigeon
Sexta música, já estava na hora do piano ganhar espaço. Boa música, faz você bater os pés enquanto escuta. Enquanto Paul toca piano, o baixo ficou para Denny Laine mas sem grande destaque. Letra simples, é mais uma música pra acalmar o andamento do álbum.

7 – When The Night
Mais uma vez Paul McCartney no piano, e destaque para as vozes. Dessa vez o baixo ficou sob responsabilidade de Linda, que tocou as notas num piano elétrico. A introdução no violão também é bem feita, além do solo de guitarra no meio da música.

8 – Loup
Instrumental que mais parece uma jam session gravada em 1 take. Paul volta ao baixo e faz um trabalho notável. No geral, nada de destaque na música além do baixo.

9 – Hold Me Tight/Lazy Dynamite/Hands of Love/Power Cut
Medley que fecha o disco com chave de ouro. A primeira, Hold Me Tight, chega a ser um pouco enjoativa. Mas Lazy Dynamite compensa a espera e também é uma das boas músicas do álbum. Destaque novamente para o baixo, além dos solos de guitarra. Hands of Love apresenta mais uma vez a parceria de vocais entre Paul e Linda, e junto com Power Cut finaliza o álbum muito bem.

Algumas das músicas que ficaram de fora do álbum original apareceram depois como b-sides, ou foram incluidas como bônus no álbum remasterizado, como Country Dreamer, Hi Hi Hi, C Moon,  I Lie Around (cantada por Denny Laine) e The Mess (lançada numa versão ao vivo). Dessas, as 3 primeiras também chegaram a aparecer nos rankings musicais pelo mundo.

Se você ainda não conhece essas músicas, recomendo que escute agora. Este é um dos meus álbuns favoritos da carreira pós-Beatle do Paul. Prometo que vai gostar!

Uma resposta para “Red Rose Speedway: muito mais do que ‘My Love’

  1. Na minha opinião esse disco é fraco, realmente My love foi a que segurou a barra ai caso contrário o Paul ia ter que atrasar o pagamento de algumas duplicatas….os discos top mesmo da carreira do Wings são: Wild life, Band on the run (com esse o Paul tirou o pé da lama), Vênus and Mars que é espetacular…se tiver esses 3 na discoteca, não precisa ter mais nenhum, aliás, somente alguma coletânea pra pegar alguma música de outros álbuns …

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s